Strategy Model Canvas

Criação de Estratégias Colaborativas com o Strategy Model Canvas – Parte 1

image_pdfimage_print

Olá Gerente de Projetos.

Todos sabemos que os projetos que conduzimos dentro de nossas organizações fazem parte de um contexto mais amplo denominado Strategy, ou Estratégia.   Esta, quando bem definida e implementadas tendem a conduzir organizações à prosperidade e porque não dizer perpetuidade.

Porém, sabemos que nem sempre é assim.

As organizações gastam pouquíssimo tempo planejando as estratégias que serão implementadas com um objetivo. Muito se deve ao fato de que o mesmo não é um processo simples, consumindo tempo precioso de executivos e baseando-se em extensas documentações e recursos, principalmente financeiros.

O objetivo deste artigo é apresentar o Strategy Model Canvas cujo objetivo é desmistificar a complexidade que existe por traz da definição de um Planejamento Estratégico, tornando-o simples, criativo e colaborativo.

O modelo foi criado por Luciano Cerqueira Passos, o qual descrevemos um breve histórico de sua carreira profissional logo abaixo:

 

Graduado em Ciência da Computação, Pós-graduado em Administração de Sistemas de Informação e Gerência de Projetos. Certificado PMP, ITIL v3, COBIT 4.1 e MCTS MS-Project 2010. Possui +12 anos de experiência profissional na área de gestão. Exerceu dentre outras atividades a função de Coordenador do Grupo de Processos, da Fábrica de Software e de Projetos no BANESE (Banco do Estado de Sergipe) durante 6 anos e meio. Trabalhou como Consultor na Implantação do Escritório de Projetos de Engenharia da UN-SEAL na Petrobras durante 2 anos e meio. Ministrou aulas de Engenharia de Software, Gerência de Projetos e Modelagem de Processos durante 5 anos e meio em cursos de graduação da FANESE (Faculdade de Negócios de Sergipe). Exerceu voluntariamente a função de Diretor de Eventos do PMI-SE durante 1 ano. Atuou como Gerente das Áreas de Projetos de TI e de Governança de TI durante quase 3 anos no BANESE. Atualmente atua como Superintendente de Gestão Estratégica do BANESE, como Professor e Coordenador de cursos de Pós-graduação da FANESE, como Diretor Educacional da ADAPTATIVA, além de trabalhar voluntariamente como Presidente do PMI-SE (Project Management Institute Sergipe). Ministra diversos cursos na área de análise de sistemas, gestão de projetos, modelagem de processos, governança de TI, gestão estratégica e gestão de negócios. Criador do Strategy Model Canvas, metodologia baseada em Canvas para planejamento estratégico empresarial.

Vamos lá ?

Introdução

O mundo dos negócios encontra-se em transformação acelerada. Fusões e aquisições transformam o ambiente. As fronteiras esbatem-se e os negócios são encarados numa perspectiva cada vez mais global. As tecnologias da era da informação reduzem o tempo necessário a recolha de informações e à tomada de decisões.

A abordagem do tema tem que ser vista numa perspectiva holística do geral para o particular podendo sintetizar-se nos seguintes pontos:

  • Análise dos principais conceitos necessários à compreensão e gestão dos temas da gestão estratégica;
  • Análise da envolvente externa e do ambiente interno que condicionam e determinam a vida da organização, não esquecendo a da responsabilidade social e a análise específica da indústria ou setor onde a organização se insere;
  • A formulação das estratégias, o planeamento de longo prazo e o desenvolvimento de alternativas;
  • A implementação das estratégias e políticas em termos de organização, planeamento, staff e direção, não esquecendo a respectiva avaliação e controle (planos, orçamentos e procedimentos entre outros).

Podemos então considerar o mercado como um jogo de xadrez onde existem regras, jogadores, vendedores e perdedores ( o que não queremos ser ), e caso você não possua uma estratégia bem definida para seu negócio, fatalmente será vencido.

Segundo Alvin Toffler:

Ou você tem uma estratégia própria ou então é parte da estratégia de alguém.

Estratégia, desta forma, pode então ser entendida como o caminho a ser percorrido pela empresa afim de se obter vantagens competitivas, proporcionando sua sobrevivência no mercado, crescimento sustentável, rentabilidade e capacidade de inovação, dentre outros.

Segundo Mintzberg (1991):

Estratégia é um modelo ou plano que integra objetivos, políticas e a sequência de ações num todo coeso.

Para Drucker (1981):

Planejamento Estratégico é um processo contínuo e sistemático, que possui o maior conhecimento possível acerca do futuro de uma organização. É a tomada de decisão antecipada, algo que podemos fazer antes de agir.

O processo de Planejamento Estratégico, segundo Kotler (2000) deve seguir os seguintes passos:

 

Fluxo de Processo Planejamento Estrategico

 

Gestão de Projetos Como Estratégia

De acordo com a revista Mundo PM, Ed. Agosto/2015, pág. 39, relacionar estratégia empresarial e projetos é um fator de extrema importância no cenário organizacional, sendo essa a única forma de materializar a estratégia em ações que levem ao alcance dos objetivos de curso, médio e longo prazo.

Segundo Diane Haubner:

Programas são compostos por vários projetos individuais, cada um com um gerente de projeto e equipe que são responsáveis pela entrega de um produto seguindo os padrões de gerenciamento de projetos, com o objetivo de atingir os objetivos estratégicos da organização.

A Gestão de Portfólio de projetos, por outro lado, é um processo do gerenciamento de projetos que proporciona a interligação dos objetivos estratégicos com a gestão dos programas e projetos. Por meio dela consegue-se selecionar os melhores projetos e controlá-los para que continuem satisfazendo os propósitos do negócio, mesmo depois do início do desenvolvimento.

Esse processo tem surgido como uma abordagem de apoio a tomada de decisão nas organizações. Seus métodos, técnicas e ferramentas contribuem para a minimização das incertezas e sistematização da decisão. Assim, a gestão de portfólio garante que o conjunto de projetos seja direcionado para atender aos objetivos do negócio.

Abaixo identificamos, de forma resumida, o processo de gestão de portfólio para a seleção dos projetos necessários à realização das iniciativas estratégicas por parte das organizações.

 

Fluxo de Processo Simples Gerenciamento de Portfolio

 

Principais Desafios

De acordo com Carlos Hilsdorf:

Qualquer estratégia, para ser colocada em prática, depende de pessoas. Elas são o maior capital de uma organização.

As pessoas são de extrema importância para o sucesso de uma organização, são elas que gerenciam e comandam a empresa, são elas que executam, controlam atividades e processos, são as pessoas também que consomem os produtos de uma determinada empresa.

De acordo com Bordenave (1995, p. 16):

A participação é o caminho natural para o homem exprimir sua tendência inata de realizar, fazer coisas, afirmar-se a si mesmo e dominar a natureza e o mundo. Além disso, sua prática envolve a satisfação de outras necessidades não menos básicas, tais como a interação com os demais homens, autoexpressão, o desenvolvimento do pensamento reflexivo, o prazer de criar e recriar coisas, e, ainda, a valorização de si mesmo pelos outros”. 

Desta forma, comunicar o Planejamento Estratégico dentro da organização torna-se fundamental para alcançar o sucesso dos objetivos estabelecidos. No entanto, uma série de problemas podem ser identificados, conforme apresentado na tabela abaixo:

 

Principais problemas nas organizações relacionados a ESTRATÉGIA

95% do nível operacional não conhece a visão de futuro de suas organizações

A maioria das empresas não faz um alinhamento organizacional, provocando falta de integração, sinergia e comunicação entre as áreas.

95% dos executivos gastam menos de uma hora por mês discutindo estratégia.

Mais de 75% das organizações brasileiras não vinculam incentivos e remuneração à estratégia.

A imagem abaixo apresenta, de forma sintética, os 4 problemas citados anteriormente.

 

Principais problemas para criação e um Planejamento Estratégico

 

Trabalhar para a solução dos problemas apresentados anteriormente, apesar de parecer simples, não é trivial por vários motivos, principalmente no que diz respeito a cultura de cada organização. Para tal, torna-se necessário:

  1. Comunicar de forma eficiente a missão e visão da empresa;
  2. Promover um melhor alinhamento entre as diversas áreas da organização;
  3. Inclusão de incentivos e remuneração anexados aos planejamentos;
Um Novo Modelo Para Construção De Estratégias

A dificuldade existente em muitas das organizações atuais em definir suas estratégias é clara e evidente. Muitas delas conseguem executar um planejamento de ótima qualidade, porém não conseguem colocá-lo em prática. Em outros casos encontramos planejamento mal elaborados e a vontade desenfreada de realizar, o que não levará a lugar algum.

A imagem apresentada pelo processo de definição das estratégias muitas vezes é vista como algo que consome muitos recursos, tanto humanos quando financeiros, com documentações de demasia e de difícil execução.

Desta forma, o Strategy Model Canvas pretende demonstrar que todo o processo de planejamento das estratégias empresariais pode ser realizado de forma simples e ágil através de elementos visuais, o que são fundamentais para que seja possível minimizar toda a complexidade pré suposta, tornando-o simples e prático.

Independente do porte da empresa ( pequena, média ou grande ) este modelo pode ser aplicado de forma eficiente, permitindo implementar as estratégias planejadas além do papel de forma simples, eficiente e visível.

Uma das grandes vantagens do modelo é sua representação visual través do modelo Canvas. A atualidade exige modelos que permitem minimizar a complexidade e ao mesmo tempo proporcionar a simplicidade.

Para Sibbet (2014):

A visualização está transformando o mundo do trabalho e o papel dos líderes numa era de comunicações globais é de crescente complexidade.

Dentre as grandes vantagens proporcionadas por modelos visuais, podemos destacar:

  • Método totalmente visual;
  • Eliminação de burocracia desnecessária;
  • Documentação reduzida;
  • Participação ativa e colaborativa das partes interessadas;
  • Debates positivos e construtivos para assuntos polêmicos;
  • Redução de tempo e recursos;
  • Comunicação ativa e simplificada.

 

Vantagens do modelo Strategy Model Canvas

 

Concepção

Seguindo o mesmo padrão adotado por outros modelos do tipo Canvas, este também é desenvolvido numa página do tipo A0 ou A1, dependendo do tamanho da empresa que o utilizará e post-its para o preenchimento das informações necessárias do modelo.

Deve também ser construído de forma colaborativa, com a participação de todos presentes. O conjunto de ideias apresentadas por todos permitirá a análise e convergência de novas ideias permitindo o alcance de um objetivo comum.

 

Modelo Strategy Model Canvas

 

Seus agrupamentos serão preenchidos sequencialmente de forma simplificada, sem detalhes, mas completo o suficiente para apresentar o que se deseja construir, respondendo a um conjunto de perguntar essenciais à elaboração da estratégia.

 

Fluxo de Planejamento com Strategy Model Canvas

 

Questionamentos utilizados no Strategy Model Canvas

 

A visão do tipo 360° oferecida pelo modelo oferece uma visão completa pela organização, partindo da visão, missão e valores, passando por clientes, concorrentes, fornecedores e parceiros, avaliando também forças, fraquezas, ameaças e oportunidades.

 

Visão 360 oferecida pelo Strategy Model Canvas

 

Desmembrando o Modelo

Vamos entender, a partir de agora, o significado de cada parte de modelo:

Missão

Missão é tida como o detalhamento da razão de ser da empresa, ou seja, é o porquê da empresa. Na missão, tem-se acentuado o que a empresa produz, sua previsão de conquistas futuras e como espera ser reconhecida pelos clientes e demais stakeholders.

Visão

A visão é algo responsável por nortear a organização. É um acumulado de convicções que direcionam sua trajetória. O professor de empreendedorismo Louis Jacques Filion define visão como “a imagem projetada no futuro do espaço de mercado futuro a ser ocupado pelos produtos e o tipo de organização necessária para se alcançar isso“.

Valores

Valores incidem nas convicções que fundamentam as escolhas por um modo de conduta tanto de um indivíduo quanto em uma organização. Richard Barrett, ex-diretor do Banco Mundial, declara que em uma organização os valores “dizem” e os comportamentos “fazem”.

Assim sendo, os valores organizacionais podem ser definidos como princípios que guiam a vida da organização, tendo um papel tanto de atender seus objetivos quanto de atender às necessidades de todos aqueles a sua volta.

Cadeia de Valor

Para Porter:

A Cadeia de Valor é utilizada para um enfoque mais eficiente e amplo, exógeno à empresa. É constituída por um conjunto de atividades criadoras de valor, desde as fontes de matérias-primas básicas, passando por fornecedores de componentes e indo até o produto final entregue nas mãos do consumidor.

O objetivo deste modelo é identificar os principais fluxos de processos dentro de uma organização. O modelo é essencialmente um fluxograma de processos específicos de alto nível, interligados para mostrar fluxos de processo, os quais podem ainda ser divididos em subprocessos e suas atividades de apoio.

A Cadeia de Valor permite a compreensão do fluxo de agregação de valor ao consumidor final no âmbito de uma ou mais unidades de negócio, retratando uma cadeia de atividades.

A imagem abaixo apresenta uma cadeia de valor genérica de uma organização, distribuída entre processos de suporte e primários.

 

Cadeia Genérica de Valor para Gestão Ambiental

Adaptado de Epstein e Roy (1998)

 

Clientes

Representa o conjunto de consumidores (homens, mulheres, adultos, crianças, empresas públicas ou privadas) que comprarão suas mercadorias ou utilizarão os serviços prestados pelo seu negócio. O cliente é a alma de qualquer empreendimento. É por esta razão que conhecer e levantar dados sobre o público da sua empresa é tão importante.

O estudo do mercado consumidor é essencial para o sucesso do seu negócio, uma vez que envolve as informações necessárias para identificar seus potenciais compradores. Através da pesquisa deste tipo de mercado, é possível saber o que produzir, qual é o local adequado para a venda, como vender e qual é a provável demanda para o produto ou serviço.

Parceiros

Identificação das parcerias que poderá ajudar na oferta do negócio da empresa. Tem se mostrado como uma tendência a firmação de parcerias para ganhar força e abrir possibilidades de crescimento no mercado. Conhecer tais parceiros que podem ajudar na condução adequada da cadeia de valor da organização é fundamental para o sucesso do negócio.

Concorrentes

Formado por empresas que oferecem produtos ou serviços idênticos ou similares aos seus. É muito importante conhecer os concorrentes (diretos ou indiretos), seus diferenciais, público, produtos e serviços, valores, estratégias… Fazer uma pesquisa completa do mercado concorrente certamente auxiliará na compreensão do estágio em que seu mercado se encontra, assim como no desenvolvimento de estratégias eficazes.

Nunca pense que concorrência seja algo ruim, ela pode ser estimulante, impulsionando a economia e o crescimento dos empreendimentos.

Ambientes Interno e Externo

Analisa o ambiente interno e externo em que a organização está inserida, avaliando as forças e fraquezas internas, bem como as oportunidades e ameaças do mercado por meio de avaliação dos fatores internos e externos relevantes.

A SWOT é uma sigla que significa Strenghts (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). Por essa razão, o exercício também é conhecimento como análise/matriz FOFA, em português.

Essas áreas são separadas entre análise interna (forças e fraquezas) e análise externa (oportunidades e ameaças). Além disso, também existe a visão dos elementos que ajudam (forças e oportunidades) e aqueles que atrapalham (ameaças e fraquezas). Assim, a SWOT ou FOFA se torna um exercício completo de análise de ambiente que deve ser aplicado em qualquer processo de planejamento estratégico.

 

Análise SWOT - Forças, Fraquezas, Ameaças e Oportunidades

 

Para que a análise SWOT seja realizada de forma completa é necessário realizar uma análise macro e microambiental da organização, utilizando-se as técnicas de análise PESTAL ( Política, Econômica, Social, Tecnológica, Ambiental e Legal ).

 

Análise PESTAL - Política, Econômica, Social, Tecnológica, Ambiental e Legal

 

O modelo das 5 forças de Porter destina-se à análise da competição entre empresas. Considera 5 fatores, as forças competitivas, que devem ser estruturadas para que se possa desenvolver uma estratégia empresarial eficiente.

 

Análise das 5 forças de Michael Porter

 

Objetivos Estratégicos

Correspondem aos resultados que a organização pretende atingir. Podem ser enunciados como alvos bastante precisos, focalizam indicadores de desempenho que permitam medir os resultados de determinada organização. No processo de definição dos objetivos, é importante que sejam criados critérios quantificáveis (fatia de mercado, faturamento total, número de clientes), que possam depois ser medidos por indicadores, pois assim os resultados possam ser avaliados na etapa de controle.

A utilização do Balanced Scorecard balanceará o equilíbrio entre os objetivos de curto e longo prazo, através de medidas financeiras e não financeiras.

 

Objetivos Estratégicos - Balanced Scorecard

 

Curva de Valor

Apresenta as ações necessárias para aprimorar a curva de valor da organização, apresentando aspectos e atributos que devem ser reduzidos, eliminados, elevados ou criados para que possa ser possível aprimorar os recursos da organização.

Toda estratégia deve ser planejada focando principalmente na criação ou aprimoramento de ideias ( Oceano Azul ), permitindo a organização criar novos contextos inovadores e evitar contextos concorrentes.

A estratégia do Oceano Azul corresponde, justamente, a construção de uma nova curva de valor para a organização, eliminando o trade-off diferenciação – baixo custo.

 

Comparativo entre estretégias do oceano azul e oceano vermelho

 

Modelo e Estrutura

A partir das definições apresentadas anteriormente sobre cada grupo e item a ser preenchido no Canvas, a imagem abaixo apresenta, de forma resumida, as mesmas informações e deve server como referência para esclarecimentos futuros.

 

Estrutura básica do modelo Strategy Model Canvas

 

E o que mais ?

Prepare-se para a continuação do artigo.

Nele apresentaremos detalhadamente o exemplo proposto pelo autor Luciano Cerqueira Passos e criaremos o nosso próprio.

Conclusão

A partir de tudo exposto até então concluímos que a utilização do modelo proposto, além de poder ser utilizado por organizações de qualquer porte, tamanho ou mesmo segmento, facilita e simplifica o processo de definição de estratégias de forma colaborativa e visual.

Para Luciano Passos:

Os modelos Canvas vieram para ficar por um bom tempo, pois sua proposta de comunicação é bastante eficiente e auxilia substancialmente em sua aplicabilidade, proporcionando naturalmente às organizações transparência e um compromisso de todos envolvidos, algo extremamente necessário para o sucesso organizacional diante do ambiente tão complexo em que vivemos.

Mudar nunca foi tão necessário e o modelo apresentado permite a quebra de paradigmas entranhados nos costumes de todos nós.

Referências

 

Posts Relacionados

Jefferson Duarte on sabtwitterJefferson Duarte on sabfacebookJefferson Duarte on sabemail
Jefferson Duarte
e-mail: contato@gp4us.com.br
Certificaçação PMP®, ITIL® e MCTS® em Microsoft Project. MBA Executivo Internacional em Gerenciamento de Projetos pela FGV e Gestão de Projetos de T.I. pelo IBTA. Pós-Graduado em Tecnologia WEB para Sistemas de Gestão Empresarial. Graduado em Ciências da Computação. Atuação profissional na área de T.I. com Processos e Projetos por mais de 10 anos.

2 comments

  • Muito bacana Jefferson !

    O Gerente de Projeto realmente precisa entender que o papel dele vai muito além de aplicar técnicas para gerenciar projetos, precisa entender de negócios e estratégias empresariais, este com certeza será um grande diferencial entre estes profissionais.

    O SMC é uma ferramenta fantástica para que as empresas possam planejar a sua estratégia de forma simples e principalmente flexível para agir diante das mudanças provocaras pelos agentes internos e externos do mundo corporativo.

    Estamos juntos meu amigo. 👏🏻👏🏻👏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻

    • Concordo plenamente quando você se refere a necessidade de conhecer negócios e estratégias além de técnicas para gerenciar projetos.

      O que me despertou muito o interesse pela ferramenta SMC é justamente a simplicidade e a facilidade com que todas as peças se juntam.

      Ótimos modelos merecem ser utilizados e compartilhados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *